Regimento Interno do Conselho Administrativo Estadual SESCOOP/ES


REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO–SESCOOP/ES


CAPÍTULO I

DOS OBJETIVOS

Art. 1º - O Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Espírito Santo - SESCOOP/ES, órgão descentralizado, instituído pelo seu Conselho Administrativo Nacional, com personalidade jurídica de direito privado ,  criado nos termos da Medida Provisória nº 1.715, de 03 de setembro de 1998 e suas reedições, e do Decreto nº 3.017, de 06 de abril de 1999, e suas alterações, cuja finalidade é a de executar as ações de monitoramento, formação profissional e promoção social no âmbito das cooperativas do seu Estado é integrante do Sistema Cooperativista Nacional e presidido na forma da lei, pelo Presidente da OCB/ES- Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Espírito Santo,  sem prejuízo da fiscalização da aplicação de seus recursos pelo Tribunal de Contas da União, tendo como objetivos:
I - organizar, administrar e executar o ensino de formação profissional e a promoção social dos empregados de cooperativas, cooperados e de seus familiares, e o monitoramento das cooperativas em todo o território do Estado do Espírito Santo;
II - operacionalizar o monitoramento, a supervisão, a auditoria e o controle em cooperativas, conforme sistema desenvolvido e aprovado em Assembléia Geral da Organização das Cooperativas Brasileiras - OCB;
III - assistir as sociedades cooperativas empregadoras na elaboração e execução de programas de treinamento e na realização da aprendizagem metódica e contínua;
IV - estabelecer e difundir metodologias adequadas à formação profissional e à promoção social do empregado de cooperativa, do dirigente de cooperativa, do cooperado e de seus familiares;
V - exercer a coordenação, a supervisão, a realização   e a fiscalização da execução dos programas e projetos de formação profissional e de gestão em cooperativas, de empregados, cooperados e familiares;
VI - colaborar com o Poder Público (Federal, Estadual e Municipal) em assuntos relacionados com formação profissional e de gestão cooperativista e atividades correlatas;
VII - divulgar a doutrina e a filosofia cooperativista como forma de desenvolvimento integral das pessoas;
VIII - promover e realizar estudos, pesquisas e projetos relacionados ao desenvolvimento humano, ao monitoramento e à promoção social, de acordo com os interesses das sociedades cooperativas e de seus integrantes.
Art. 2º - Para o desenvolvimento de suas atividades, caberá ao SESCOOP/ES:
I - manter-se integrado a outros órgãos e entidades, públicas e privadas, que se dediquem à formação profissional cooperativista ou promoção social, os quais serão considerados colaboradores do SESCOOP/ES, após a formalização de contratos e convênios específicos;
II - promover a mobilização da capacidade instalada na OCB/ES - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Espírito Santo, e áreas afins, nos estabelecimentos de ensino, associações de classe e de caráter cultural, objetivando evitar a duplicação de investimento na execução de imobilizações visando atividades de formação profissional e promoção social;
III - promover e apoiar a formação e o aperfeiçoamento de pessoal especializado nas atividades integrantes do seu objetivo, bem como, realizar o treinamento sistemático de seu pessoal técnico, administrativo e de apoio, atuando de forma integrada com a OCB/ES para viabilizar ações que possibilitem o fortalecimento do cooperativismo;
IV - formular planos e programas anuais e plurianuais de trabalho;
V - estabelecer política de atuação que contemple tanto a manutenção de cursos permanentes de treinamento em estabelecimentos próprios ou conveniados, como a realização de cursos de curta e média duração, de natureza transitória;
VI - fazer observar os critérios estabelecidos pelo Conselho Nacional  do SESCOOP/Nacional para assegurar a indicação dos empregados em cooperativas, que serão selecionados para participar dos programas de formação profissional, com base no princípio de igualdade e sem distinção de sexo, raça, crença religiosa ou convicção filosófica ou política;
VII - promover estudos e pesquisas sobre aspectos vinculados à mão-de-obra em cooperativas e no mercado de trabalho, bem como, métodos e tecnologias educacionais apropriadas à aprendizagem no meio cooperativista;
VIII - articular-se junto a órgãos e entidades nacionais e internacionais em assuntos relacionados com a formação de profissionais em cooperativas;
IX - divulgar as ações do cooperativismo e sua importância sócio-econômica.

CAPÍTULO II

DA SISTEMÁTICA DE ATUAÇÃO

Art. 3º – Para consecução dos seus objetivos, o SESCOOP/ESpoderá adotar:
I - ações normativas, mediante expedição de normas específicas referentes ao seu funcionamento, sempre em observância aos normativos estabelecidos pela Unidade Nacional;
II - ações coordenadoras, de compatibilização dos programas e dos projetos, consoante as diretrizes básicas estabelecidas pela Unidade Nacional;
III - ações executivas, mediante a realização de atividades de formação profissional e de promoção social, que serão implementadas:
a) por iniciativa própria, mediante o desenvolvimento de trabalhos constantes da sua programação normal, custeados com recursos previstos no seu orçamento;
b) na condição de contratado, por órgão ou entidade da administração pública ou do setor privado, por instituições internacionais, ou com esses conveniados, para condução direta de projetos específicos, mediante financiamento total ou parcial do órgão, entidade ou instituição contratante.
Art. 4º – O SESCOOP/ES atuará em sintonia com os objetivos de desenvolvimento das sociedades cooperativas e seus integrantes – empregados, cooperados e seus familiares - preconizados pela OCB/ES - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Espírito Santo, nos termos deste Regimento Interno aprovado pelo Conselho Administrativo Estadual.
Parágrafo Único – As atividades compartilhadas entre o SESCOOP/ES e a OCB/ES serão definidas em contrato de gestão, onde serão estabelecidas as responsabilidades de cada parte.  
Art. 5º – As ações decorrentes dos objetivos fins do SESCOOP/ES poderão ser exercidas mediante ajustes com a OCB/ES, com estabelecimentos de ensino, órgãos e entidades públicas ou privadas, instituições de ensino e pesquisa que tenham capacidade de exercer as atividades de formação profissional, o monitoramento em cooperativas e a promoção social, na forma preconizada por este Regimento Interno.

 

CAPÍTULO III

DA ORGANIZAÇÃO e ADMINISTRAÇÃO

Art. 6º - São órgãos de deliberação, execução, fiscalização e assessoramento do SESCOOP/ES:
I - Conselho Administrativo Estadual;
II – Conselho Fiscal Estadual;
III – Diretoria Executiva.

Seção I - DO CONSELHO ADMINISTRATIVO ESTADUAL

Art. 7º - O Conselho Administrativo do SESCOOP/ES é o órgão máximo no âmbito da administração estadual e terá o mandato de 04 (quatro) anos, coincidentes com o mandato da Diretoria da OCB/ES - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Espírito Santo, sendo composto por 05 (cinco) membros titulares e igual número de suplentes, assim constituídos:
I – Pelo Presidente da OCB/ES como seu Presidente nato;
II - 03 (três) representantes e igual número de suplentes, indicados pela OCB/ES- Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Espírito Santo, dos quais 01 (um) representará os empregados em cooperativas e 02 (dois) representarão as cooperativas contribuintes do SESCOOP;
III - 01 (um) representante do Conselho Nacional;
§ 1o – A indicação dos representantes a que se refere o inciso II será exercida pelo Presidente do Conselho Administrativo Estadual do SESCOOP/ES, com aprovação formal do Conselho de Administração da OCB/ES. O representante dos empregados   deverá ter vínculo empregatício com uma cooperativa contribuinte. A Presidência do SESCOOP/ES será exercida pelo Presidente da OCB/ES, escolhido em conformidade com o seu Estatuto Social, obrigatoriamente registrado na OCB Nacional- Organização das Cooperativas Brasileiras.
§ 2o – No caso da vacância de cargo ou cargos no Conselho Administrativo Estadual, o seu Presidente solicitará ao Conselho Nacional do SESCOOP ou indicará com aprovação do Conselho de Administração da OCB/ES, conforme o caso, no prazo de 30 (trinta) dias, a indicação de novos titulares, sendo as vagas preenchidas com a posse dos indicados, para a complementação do mandato do substituído.
§ 3o - É vedado ao Presidente, Vice-Presidente, Diretores e administradores da OCB/ES e representantes das cooperativas e dos empregados em cooperativas que já ocupem cargos ou funções executivas em serviços de aprendizagem similares aos do SESCOOP, a participação nas Administrações Estaduais do SESCOOP.
§ 4o - Cada conselheiro terá direito a um voto em plenário, cabendo ao Presidente, somente o  voto de qualidade.
§ 5o – Os membros do Conselho Administrativo Estadual terão mandato de 04 (quatro) anos, coincidente com o mandato da Diretoria da OCB/ES, permitida a recondução para igual período.
§ 6o - Os membros do Conselho Administrativo Estadual receberão cédula de presença e ajuda de custo (reembolso de km rodado e hospedagem) quando for o caso,  pela participação nas reuniões, sendo o montante fixado pelo próprio Conselho.

§ 7o - O Conselho Administrativo Estadual reunir-se-á, em caráter ordinário, bimestralmente e, em caráter extraordinário, quando necessário.
§ 8o - O Conselheiro que faltar sem justificativa a 3 (três) reuniões consecutivas, ou a 4 (quatro) alternadas, será substituído pelo suplente.
Art. 8º - Ao Conselho Administrativo Estadual cabe difundir e implementar as políticas, diretrizes, programas, projetos e normas, com estrita observância das deliberações e decisões do seu Conselho Nacional, contribuindo para que as atribuições e os objetivos do SESCOOP/ES sejam  alcançados em sua área de atuação, especificamente:
I - fixar a política de atuação do SESCOOP/ES e estabelecer as normas operacionais que regerão suas atividades, bem como, fazer obedecer as diretrizes gerais;
II - aprovar os planos anuais e plurianuais de trabalho e os respectivos orçamentos, encaminhando-os à Unidade Nacional do SESCOOP para consolidação;
III - aprovar o balanço geral, as demonstrações financeiras, o parecer do seu Conselho Fiscal e o relatório  anual das atividades e encaminhá-los à Unidade Nacional para aprovação;
IV - aprovar o plano de cargos, salários e benefícios, o quadro de pessoal e a tabela de remuneração correspondente à contratação dos empregados do quadro efetivo do SESCOOP/ES;
V - decidir, com base em parecer interno, a aquisição, alienação, cessão ou gravame de bens imóveis;
VI - autorizar a assinatura de convênios, contratos e ajustes ou outros instrumentos jurídicos, sendo, no caso da contratação de convênios internacionais,  necessária a autorização do Conselho Nacional do SESCOOP;
VII - fixar atribuições do Presidente do Conselho Administrativo Estadual, além das estabelecidas no Regimento Interno;
VIII - fixar outras atribuições do Superintendente além das estabelecidas no art. 17 deste Regimento Interno e as atribuições dos demais órgãos da entidade;
IX - aplicar penalidades disciplinares a seus membros, inclusive suspensão ou cassação do mandato, conforme a natureza, repercussão e gravidade da falta cometida e que extrapolem o presente regimento e a legislação em vigor;
X - fixar o valor da cédula de presença e ajuda  de custo, quando for o caso,   para os membros do  Conselho Fiscal Estadual;
XI - fixar a verba de representação do Presidente do Conselho Administrativo Estadual;
XII – dar posse aos membros do Conselho Fiscal Estadual formalmente indicados pelo Conselho de Administração da OCB/ES;
XIII - estabelecer o limite máximo de remuneração do Superintendente;
XIV - fixar o valor da  cédula de presença e das diárias e ajuda de custo, quando for o caso,  de seus membros;
XV - aprovar o seu Regimento Interno e do Conselho Fiscal Estadual do SESCOOP/ES e suas alterações;
XVI - solucionar os casos omissos no Regimento Interno.
XVII – atuar de forma conjunta com o Sistema OCB, com órgão públicos e com entidades privadas com vistas ao cumprimento das deliberações do Conselho Nacional;
XVIII – fazer cumprir as normas de licitações e contratos aprovadas pelo Conselho Nacional do SESCOOP, que disciplinam as contratações de obras, serviços, compras, alienações e as situações de sua dispensa ou inexigibilidade.
XIX – fazer cumprir as demais normas e resoluções aprovadas pelo Conselho Nacional do SESCOOP.
§ 1º - Não podem compor uma mesma Diretoria Executiva, Conselho Administrativo ou Conselho Fiscal, os parentes entre si até 2º (segundo) grau, em linha reta ou colateral;

§ 2º - Os valores fixados relativos aos incisos X, XI, XIII e XIV deste artigo, devem ser compatíveis com as receitas auferidas e não ultrapassarão o limite de 80% (oitenta por cento) dos valores estabelecidos pelo Conselho Nacional.

Seção II - DA DIRETORIA EXECUTIVA

Art. 9º - A Diretoria Executiva é o órgão gestor e de Administração Estadual do SESCOOP/ES, consoante às diretrizes estabelecidas pelos Conselhos Nacional e Estadual. Será composta pelo Presidente do Conselho Administrativo Estadual e pelo Superintendente.
Art. 10 - Os atos de representação ativa e passiva do SESCOOP/ES, em juízo ou fora dele, tais como contratos, quitações, transações, desistências, compromissos, acordos e outros que envolvam qualquer tipo de obrigação, responsabilidade ou exoneração, serão firmados pela Diretoria Executiva.
Parágrafo Único - Nos órgãos administrativos e operacionais, os documentos representativos de obrigações ordinárias, assim definidas pelo Conselho Nacional, poderão ser assinados conjuntamente com procuradores com poderes suficientes conferidos pela Diretoria Executiva.
Art. 11 - A Diretoria será dirigida e supervisionada pelo Presidente do Conselho Administrativo Estadual e coordenada e operacionalizada administrativamente pelo Superintendente.

Art. 12 - A Estrutura básica da Diretoria Executiva do SESCOOP/ES, bem como a competência de seus órgãos será aprovada pelo Conselho Administrativo Estadual, mediante proposta do Presidente.

Seção III – DA PRESIDÊNCIA

Art. 13 - Compete ao Presidente:
I – executar a política de atuação do SESCOOP, emanada do Conselho Nacional, respondendo perante o Tribunal de Contas da União pelos atos da sua gestão;
II - representar a Administração Estadual em Juízo ou fora dele e constituir procuradores;
III – convocar e presidir as reuniões do Conselho Administrativo Estadual;
IV - assinar os convênios, contratos, ajustes e outros instrumentos jurídicos;
 V - assinar os cheques e os documentos de abertura e movimentação de contas bancárias em conjunto com o Superintendente ou com funcionário especialmente designado, por intermédio de instrumento particular de procuração que estabeleça os limites dos poderes conferidos e a vigência da procuração, cujo período não excederá o mandato em exercício;
VI – indicar, nomear e contratar o Superintendente e estabelecer sua remuneração, mediante aprovação do Conselho Administrativo Estadual;
VII – editar e promover o cumprimento das portarias, resoluções e deliberações do Conselho Nacional; aprovar regulamentos internos e suas alterações, definindo as atribuições, a organização e a competência dos setores administrativos e operacionais;
VIII - cumprir a legislação pertinente nos processos licitatórios;
IX - dar posse aos membros do Conselho Administrativo Estadual e Conselho Fiscal Estadual;
X - nomear os Assessores e Gerentes dos órgãos internos do SESCOOP/ES por proposta do Superintendente;
XI - avocar à sua análise de julgamento ou decisão quaisquer questões em assuntos que não sejam da competência do Conselho Administrativo Estadual ou que não tenham sido por este avocados;
Art. 14 - Na primeira reunião ordinária do Conselho Administrativo Estadual, após as eleições gerais na OCB/ES - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Espírito Santo, o novo Presidente da OCB/ES tomará posse na Presidência do Conselho Administrativo Estadual do SESCOOP/ES.
§ 1º – Como primeiro ato deverá indicar os 02 (dois) representantes das cooperativas – efetivos e respectivos suplentes – e o representante e respectivo suplente dos empregados de cooperativas contribuintes do SESCOOP, todos devidamente aprovados pelo Conselho de Administração da OCB/ES e expedir correspondência para o Presidente do Conselho Nacional do SESCOOP para que este indique o seu representante e respectivo suplente para compor o novo Conselho de Administração Estadual.
§ 2º – No prazo máximo de 30 (trinta) dias, os novos representantes devem ser empossados, permanecendo os antigos Conselheiros em suas funções, até que isso ocorra.

Seção IV - DA SUPERINTENDÊNCIA

Art. 15 - O Superintendente será nomeado e contratado pelo Presidente , após aprovação  do Conselho Administrativo Estadual  do SESCOOP/ES.
Art. 16 - Os órgãos da estrutura funcional do SESCOOP/ES serão dirigidos por assessores e gerentes nomeados pelo Presidente do Conselho Administrativo Estadual , mediante proposta do Superintendente.
Art. 17 - Ao Superintendente compete:
I - organizar, administrar e executar no âmbito da Unidade Estadual, com apoio e estrutura da OCB/ES, o ensino de formação profissional e de gestão cooperativista, o desenvolvimento e a promoção social dos empregados em cooperativas , dos cooperados e seus familiares e de colaboradores;
II- organizar o cadastro, o monitoramento, o controle, a consultoria, a auditoria e a supervisão em cooperativas;
III - exercer a coordenação, supervisão e fiscalização da execução dos programas e projetos de formação profissional, de gestão cooperativista e de promoção social no Estado;

IV - articular-se com órgãos e entidades públicas ou privadas estabelecendo instrumentos de cooperação;
V - encaminhar ao Conselho Administrativo relatórios trimestrais e anuais, com base no plano de trabalho;
VI - dirigir, ordenar e controlar as atividades técnicas e administrativas da Administração do SESCOOP/ES, praticando os atos pertinentes de sua gestão;
VII - assinar, juntamente com Presidente do Conselho Administrativo Estadual, ou seus procuradores devidamente constituídos, cheques e documentos de abertura e movimentação de contas bancárias;
VIII - cumprir e fazer cumprir as normas em vigor do Conselho Administrativo Estadual e do seu Presidente;
IX - praticar os atos de admissão, gestão e demissão dos empregados e assessores, sob a supervisão do Presidente do Conselho Administrativo Estadual;
X - encaminhar ao Conselho Administrativo Estadual, através do Presidente, as propostas de Planos de Trabalho, dos orçamentos anuais e plurianuais e balanço geral, demais demonstrações financeiras, o parecer do Conselho Fiscal Estadual e os relatórios semestral e anual de atividades;
XI - secretariar as reuniões do Conselho Administrativo Estadual;
XII - elaborar e submeter ao Presidente do Conselho Administrativo Estadual os projetos de atos e normas cuja decisão não seja de sua competência;
XIII - expedir instruções de serviço visando o cumprimento eficiente dos objetivos do SESCOOP/ES e das normas editadas pelo Conselho Administrativo Estadual;
XIV - estabelecer e difundir metodologias adequadas à formação profissional e promoção social dos empregados e cooperados nas sociedades cooperativas, bem como de seus familiares e colaboradores.

Seção V - DO CONSELHO FISCAL ESTADUAL

Art. 18 - O Conselho Fiscal será composto por 03 (três) membros titulares e igual número de suplentes, indicados pelo Conselho de Administração da OCB/ES – Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Espírito Santo para um mandato de 04 (quatro) anos, coincidente com o mandato do Conselho Administrativo Estadual do SESCOOP/ES, sendo vedada à recondução para o período imediato.
§ 1º – As vagas do Conselho Fiscal Estadual do SESCOOP/ES, serão distribuídas da seguinte forma:
I – 02 (dois) membros titulares e 02 (dois) suplentes das cooperativas contribuintes do SESCOOP.
II – 01 (um) membro titular e 01 (um) suplente representante dos empregados das cooperativas contribuintes do SESCOOP.
§ 2º - Os suplentes substituirão os titulares em suas ausências e afastamentos, vedada a substituição por procuradores, prepostos ou mandatários.
§ 3º - Nos casos de vacância o Presidente do Conselho Fiscal  Estadual solicitará, no prazo de 30 dias, a indicação de novos conselheiros.
§ 4o - O Conselho Fiscal Estadual reunir-se-á, em caráter ordinário, bimestralmente e , em caráter extraordinário, quando necessário.
§ 5o - O Conselheiro que faltar sem justificativa a 3 (três) reuniões consecutivas, ou a 4 (quatro) alternadas, será substituído pelo suplente.
Art. 19 - Compete ao Conselho Fiscal Estadual:
I - acompanhar e fiscalizar a execução financeira, orçamentária e os atos de gestão;

II - examinar e emitir pareceres sobre o balanço geral e demais demonstrações  contábeis/financeiras;

III - solicitar ao Conselho Administrativo Estadual a contratação de assessoria de auditores ou peritos, sempre que tais serviços forem considerados indispensáveis ao bom desempenho de suas funções;
IV - elaborar o seu Regimento Interno coerente com o Regimento Interno do Conselho Fiscal do SESCOOP Nacional.
V – eleger entre seus pares o Presidente e escolher um Secretário para coordenar e relatar as atividades;
VI – dar conhecimento de seus relatórios à Diretoria Executiva do SESCOOP/ES e, se for o caso, ao Conselho Administrativo Estadual;

CAPÍTULO IV

DAS NORMAS COMUNS AOS ADMINISTRADORES E CONSELHEIROS FISCAIS

Art. 20 - Não podem ser indicados para os cargos de Administradores e Conselheiros Fiscais, além das pessoas impedidas por lei, os condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, a fé pública ou a propriedade.
Parágrafo Único - Não podem compor uma mesma Diretoria Executiva, Conselho Administrativo, ou Conselho Fiscal, os parentes entre si até segundo grau, em linha reta ou colateral, e o (a) cônjuge ou companheiro (a), na forma da lei.
Art. 21 - Os membros do Conselho Administrativo Estadual e Conselho Fiscal Estadual têm os mesmos deveres dos Administradores e respondem pelos danos resultantes de omissão no cumprimento de seus deveres e de atos praticados com dolo ou culpa, ou com violação da lei e deste Regimento Interno.

Art. 22 - No caso de vacância de cargos nos Conselhos do SESCOOP/ES, o Presidente do Conselho Administrativo Estadual ou do Conselho Fiscal, indicará, no prazo de 30 (trinta) dias, dentre os respectivos suplentes, os novos titulares, cujas vagas serão preenchidas com a respectiva posse dos indicados para cumprir o mandato do substituído, observada as normas contidas no parágrafo 2o. do art.7o deste Regimento Interno.

Art. 23 - No caso de vacância do cargo de Presidente, o Conselho Administrativo, em reunião extraordinária, escolherá um de seus membros para exercer interinamente a Presidência, até que a OCB/ES – Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Espírito Santo eleja o substituto na forma da lei e do seu Estatuto.


CAP ÍTULO V

DOS RECURSOS

Art. 24 - A receita do SESCOOP/ES será constituída de:
I - recursos repassados pelo SESCOOP Nacional, de conformidade com a legislação que instituiu o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo e o Regimento Interno do Conselho Nacional do SESCOOP;
II - subvenções da União, Estados, dos Municípios e de instituições públicas e privadas;
III - rendas oriundas da prestação de serviços, alienação ou locação de seus bens;
IV - receitas operacionais advindas de transferência de tecnologia e trabalhos técnicos;
V - rendas eventuais ou resultantes de convênios afins ao objetivo do SESCOOP/ES;
VI - receitas de aplicações financeiras;
VII - penas pecuniárias.
Parágrafo Único - Os saldos dos recursos financeiros apurados ao final de cada exercício, serão incorporados ao patrimônio, para aplicação em seus programas nos exercícios seguintes.
Art. 25 - Os recursos arrecadados pelo SESCOOP/ES deverão ser aplicados:
I - nas atividades relativas aos objetivos fins, descritos no art. 1º;
II - nas despesas de caráter geral;
III – investimentos necessários para atingir os objetivos descritos no art.1o deste Regimento Interno.

CAPÍTULO VI

O REGIME JURÍDICO E OUTRAS DISPOSIÇÕES RELATIVAS AO PESSOAL

Art. 26 - A execução contratada, como forma de ação indireta do SESCOOP/ES, será exercida mediante ajustes com a OCB/ES, com estabelecimentos de ensino, órgãos e entidades públicas ou privadas, e outras instituições similares que tenham capacidade de exercer as atividades de formação profissional em cooperativas e promoção social na forma preconizada pelo SESCOOP/ES e SESCOOP NACIONAL.
Art. 27 - O regime jurídico do pessoal do quadro do SESCOOP/ES é o da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT e respectiva legislação complementar.
Art. 28 - A Admissão de pessoal, no âmbito do SESCOOP/ES dar-se-á mediante contratação conforme previsto na CLT, observadas normas específicas editadas pelo Conselho Nacional.
Art. 29 - Todo o pessoal do SESCOOP/ES será submetido à periódica avaliação, visando aferir o seu desempenho profissional.
Art. 30 - A política salarial, a forma de contratação, o plano de benefícios e outros critérios que se fizerem necessários, serão definidos no Plano de Cargos, Salários e Benefícios, de responsabilidade do SESCOOP/ES.
Parágrafo Único – O SESCOOP/ES terá equipe própria, sem qualquer vinculação trabalhista à Unidade Nacional do SESCOOP. O plano de cargos, salários e benefícios será condizente com a sua realidade financeira e seu plano de trabalho, observadas as diretrizes gerais para o desempenho profissional definidos pelo Conselho Nacional, através de norma própria.

CAPÍTULO VII

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 31 - O SESCOOP/ES é responsável pela execução dos Planos de Trabalho elaborados para os exercícios e aprovados por seu Conselho Administrativo Estadual.
Art. 32 - O SESCOOP/ES é responsável por todos os atos formais, praticados ou constituídos na vigência de convênios e contratos celebrados com a interveniência da Unidade Nacional do SESCOOP.
Art. 33 - Poderão se beneficiar dos Programas implementados pelo SESCOOP/ES, as cooperativas contribuintes, legalmente constituídas, registradas na OCB/ES e em situação de regularidade junto ao Sistema OCB e ao SESCOOP/ES.
Art. 34 - Havendo necessidade de alteração do modelo de estrutura do SESCOOP/ES, este deverá obter a devida autorização do Conselho Nacional.
Parágrafo Único - Havendo dissolução do SESCOOP/ES, os bens e recursos financeiros remanescentes serão destinados à Unidade Nacional do SESCOOP.
Art. 35 - Os casos omissos no presente Regimento Interno serão resolvidos pelo Conselho Administrativo Estadual do SESCOOP/ES, em consonância com a legislação vigente, com a devida anuência da Unidade Nacional do SESCOOP.


Vitória-ES, 29 de outubro de 2008.

 






FOTOS:

AV: Marechal Mascarenhas de Moraes, 2501, Bento Ferreira
Cep. 29050-667 - Vitória-ES - Telefax: (27) 2125-3200